sábado, 28 de maio de 2011

O que Selena Gomez fez


"Ver cavalos a serem pintados para um videoclip é estúpido. Uma vergonha. Os artistas devem ser pessoas informadas e devem responsabilizar-se pelos seus actos" diz Pink.

Pois parece que Selena Gomez teve a ideia de pintar os cavalos de cor-de-rosa. Não achei nada engraçado da parte dela. Ela é uma cantora fantástica, divertida, jovem e simpática mas abusar dos animais para uma canção?

Portanto, Pink achou o mesmo: "Sendo meu fã ou não, eu não vou parar de falar sobre as crueldades que são cometidas contra os animais", atirou.

No vídeo acima mostra o ''belo'' trabalho que fez. Nunca pensei que ela fosse descer tão baixo. Os pobres coitados dos cavalos, a serem pintados de cor-de-rosa. Acham bem, meus leitores?

Atenção: Para quem se interessa por Selena, apenas é uma opinião.

Os Quatro Principais Andamentos

Passo
O passo é o andamento mais lento, entre os 6 e os 7 km/hora, e natural, a quatro tempos, marcado pela progressão sucessiva de cada par lateral de pés. Quando a marcha começa com a perna posterior esquerda, a sequência é a seguinte: posterior esquerda, dianteira esquerda, posterior direita, anterior direita. No passo calmo, os pés  tocam o solo adiante das pegadas feitas pelos pés da frente. No passo ordinário, os passos são mais curtos e mais elevados, e os pés tocam no solo atrás das pegadas dos mãos. No alongado, os pés tocam o chão antes das impressões das mãos. No livre, todo o esquema é prolongado. 

Trote
O trote é o andamento natural de trabalho e simétrico com velocidade sensivelmente dupla da do passo, isto é, 14 a 15 km/hora, a dois tempos, em que um par diagonal de pernas toda o solo simultaneamente e, depois de um momento de suspensão, o cavalo salta apoiado no outro para diagonal. Por exemplo: no primeiro tempo, o pé anterior esquerdo e o pé posterior direito pousam no solo juntos ( diagonal esquerda ). No segundo tempo, o pé dianteiro e o pé traseiro esquerdo pisam juntos ( diagonal direita ). No trote, o joelho jamais avança a frente de uma linha imaginária perpendicular tirada do topo da cabeça do animal até o solo. As estilizações supremas do trote são a piaffer, em que o cavalo, sem avançar, fica batendo no chão, alternadamente, com os pés dianteiros; a passagem, em que ele se desloca para o lado, trocando os pés, sem avançar.

Galope
O galope é o mais rápido dos quatro andamentos naturais, entre 20 a 30 km/hora. Descrito habitualmente como um andamento a quatro tempos, sofre variações na sequência de acordo com a velocidade. Com a perna dianteira direita na liderança, a sequência de pisadas é a seguinte: posterior esquerda, posterior direita, ao que se segue um período de suspensão total, em que todos os pés estão no ar. Um puro-sangue inglês galope a 48 Km/h ou mais. O pé mais avançado toca no chão em linha com o nariz, mesmo que, estirada a perna ao máximo, o pé fique no ar à frente dessa linha.

Porque não te mostras


Chegaste com o vento
Cavalgas como um selvagem
Como um indomável na praia
As flores e o canto dos pássaros
ficam na mente.

O mundo te quer ver.

Teus olhos desenharam o sol das manhãs
E a luz do sol, transforma o mar em um campo verde
O verde é a tua fonte de energia.

A tarde são os teus passos mornos na areia
A noite é teu olhar sobre o mar
É a lua tornar-se cheia
É a ilusão escondida

Texto escrito por mim, editado de um outro de Jacineide Travassos (''Então nasceram os astros'')

sábado, 21 de maio de 2011

Com a liberdade escrita nos olhos


''Quando os vejo a galopar é como se o seu espírito entrasse no meu coração transmitindo-me liberdade. Mas eles sim são livres eternamente. Porquê? Porque a palavra dominar não existe para eles nem para mim, nem para aqueles que amam os cavalos. O seu coração e o seu espírito continuam a ser livres. São criaturas mágicas, com muito para dar.

Sabem, quando desenho um cavalo não consigo desenhar uma sela nem um cabresto e não é por não saber, é porque o meu coração diz que a verdadeira beleza do cavalo é a sua liberdade, o seu estado selvagem, o que eles têm dentro do seu coração, do seu espírito! É assim que eles são! Quando olho nos olhos de um cavalo enquanto faço festas no seu focinho, sinto qualquer coisa como se o cavalo falasse com o meu espírito, com a minha alma, com o meu coração! É como se fosse só eu e ele, mais nada nem ninguém entra naquele transe mágico e único.''

Autor desconhecido

Raças (Ardennais)

O Ardennais (altura: 157 a 160 cm) é considerado o descendente directo do cavalo de Solutré e, por essa razão, constitui uma das mais antigas raças de sangues-frios. Dizia-se que já Júlio César ficara admirado com esta raça aquando da invasão romana da Gália. Mais tarde, foram os cavalos Ardennais que puxaram o equipamento bélico do exército de Napoleão, tendo igualmente sido usados no transporte de pessoas e de mercadoria e para o trabalho agrícola.
Para tornar este cavalo mais leve, procedeu-se muitas vezes, no decurso da sua história, ao cruzamento com sangue oriental. Hoje, este sangue-frio meio-pesado é utilizado frequentemente para renovar o sangue de outras raças pesadas. O Ardennais é um animal enérgico, óptimo para qualquer trabalho agrícola, com uma saúde sólida e de bom carácter.
Com o seu característico pêlo nas patas, este cavalo, descendente dos Ardennais belgas e franceses oriundos dos Vosges e de Champanha e do Lorena, é óptimo como cavalo de aparato e fácil de conduzir. Destaca-se pelos seus movimentos rápidos e enérgicos e pelo seu trote largo.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Imagem animada do Blog


Pensei em voltar a fazer uma imagem animada em que entram cavalos (claro!) e anime (algo especial para mim e para alguns leitores).
Adorei e pensei em publicar no Blog.
Se para alguns leitores, se quiserem publicar nos seus blogs, podem fazer.

Espero que tenham gostado.

domingo, 15 de maio de 2011

Sondagem nova

Nova sondagem: é uma pergunta difícil para quem tentar responder à sondagem.
A pergunta desta sondagem é...

Será que existem mesmo unicórnios?


Pois! Eu estive a ver e não sei qual delas devo responder. Ao fim da sondagem saberemos a verdade.
Acham que pode existir (mas muito escondidos) ou é mito?

Participem.

Pégaso ou Cavalo alado

Atenção: tenho várias definições retiradas de sites diferentes.

Os mais conhecidos cavalos com asas são um símbolo tradicional do desejo carnal. Os centauros, metade homens, metade cavalos, são monstros que representam a identificação do ser humano aos instintos animalescos. O cavalo alado, ao contrário, é símbolo da sublimação e da imaginação criadora. Pégaso, segundo a mitologia grega, nasceu do sangue da Medusa, após ser esta decapitada por Perseu.
Atena domesticou o cavalo alado e ofereceu-o ao herói grego Belerofonte, para que combatesse a Quimera. Com ele, Belerofonte tentou aproximar-se do Olimpo, mas Zeus fez com que Pégaso corcoveasse, provocando a queda do cavaleiro, que morreu. Transformado em constelação, o cavalo passou desde então ao serviço de Zeus.

Pégaso vivia no Parnaso, no Hélicon, no Pindo e na Piéria, lugares frequentados pelas Musas, filhas de Zeus e Mnemósine, e onde o cavalo alado costumava pastar. Com um de seus coices, fez nascer a fonte de Hipocrene, que se acreditava ser a fonte de inspiração dos poetas. Na literatura clássica há numerosas alusões às fontes de inspiração.

A história de Pégaso tornou-se um dos temas preferidos da literatura e das artes plásticas gregas.

Na mitologia grega, Pégaso era um cavalo com asas, filho de Poseidon, deus dos oceanos, e de Medusa, uma das terríveis górgonas (monstros com asas de ouro, cabelos de serpentes e dentes de javali).
Diz a lenda que o cavalo saiu do corpo de Medusa quando a monstra foi decapitada pelo herói Perseu (cruzes, que história!)

Pégaso está ligado às tempestades, à água, é ele quem traz o trovão e os raios. É também o símbolo da criatividade do espírito, dos poetas e da imaginação.

O herói Belerofonte capturou o cavalo enquanto ele bebia água de um poço. Para isso, usou um bridão de ouro, presente da deusa Atena (a capital da Grécia se chama Atenas em homenagem a essa deusa!).

Foi montado em Pégaso que Belerofonte conseguiu matar o horrível monstro Quimera. Mas, quando o herói tentou montar o cavalo de novo, ele corcoveou, atirou Belerofonte longe e subiu para os céus, onde virou uma constelação.

Procure um mapa do céu em um livro de Astronomia: você vai ver, lá, o conjunto de estrelas que forma o desenho de Pégaso, o cavalo alado.

Na mitologia grega era um cavalo alado, que segundo o mito nascido do sangue da Medusa, após ser esta decapitada por Perseu. Atena domesticou o cavalo alado e ofereceu-o ao herói grego, o arqueiro mitológico Belerofonte, para que combatesse a Quimera. Belerofonte tentou usá-lo para aproximar-se do Olimpo, mas Zeus fez com que ele corcoveasse e derrubasse seu cavaleiro, que morreu. Transformado em constelação, o cavalo passou desde então ao serviço de rei do Olimpo.
Com um de seus coices, fez nascer a fonte de Hipocrene, que se acreditava ser a fonte de inspiração dos poetas. Com o tempo suahistória tornou-se um dos temas preferidos da literatura e das artes plásticas gregas e sua figura destacou-se na literatura clássica com numerosas alusões às fontes de inspiração.
Algumas imagens de Pégasos (Grego: Pegasus)

Como são os cavalos em todo o mundo?


  •   Albânia


Albanian FlagHá dois cavalos indígenas para a Albânia, um cavalo de montanha e uma das planícies. Apesar de a mistura não regulamentada do sangue borrou as linhas de distinção. Esses animais são considerados como de Tarpan Turkmene e sangue de cavalos da Mongólia.

Em 1980, houve medidas tomadas para melhorar o estoque do cavalo e programas de criação intensiva foram estabelecidas. Local animais foram cruzados com os árabes, a Nonius e Haflingers para produzir animais mais robustos para o trabalho agrícola.

Cavalo em albanês é kalë
Cavalo em grego é
Horses in Albania
Horses in Albania
Horses in Albania
Horses in Albania
Horses in Albania

sábado, 14 de maio de 2011

A limpeza e maneio do cavalo

A limpeza diária do seu cavalo não serve apenas para o deixar com boa aparência pois é também uma boa oportunidade para se aperceber se este tem feridas ou inchaços nos membros ou temperatura nos cascos e articulações ou outro tipo de problemas físicos.
A técnica que utiliza na limpeza do cavalo deve estar relacionada da com o modo de vida e com o tipo de cavalo: por exemplo, um pónei que passe todo o tempo ao ar livre necessita de toda a gordura da pele sobre o pelo (para ficar impermeável; por outro lado o cavalo que passe todo o tempo no estábulo que é tosquiado deve ser limpo mais profundamente.
Material para o bem-estar do cavalo:

Cabeção de prisão: Serve para prender o cavalo.





Máscara anti-moscas: Serve para proteger os olhos do cavalo de insectos voadores.




Coberjão: Protege o cavalo do frio ou quando este está a ser transportado.


Coberjão de rins: Protege o dorso do cavalo do frio enquanto este trabalha.





Spray anti-moscas: protege o cavalos de insectos voadores.



O estojo de Limpeza:


Caixa de limpeza: Serve para arrumar o material de limpeza, ligaduras, etc.



Champô: Serve para lavar a pelagem do cavalo no banho.



Raspador de borracha: Serve para remover o excesso de água depois do banho.



Limpador de cascos: Serve para remover a sujidade do casco do cavalo.






Unto para cascos: Serve para nutrir e manter os cascos saudáveis.



Pincel: serve para aplicar o unto nos cascos.



Almofaça: serve para remover pó, lama, pêlos e outra sujidade.



Bruça- Serve para remover o pó e dar brilho ao pêlo do cavalo.



Almofaça americana: Serve para remover pêlos secos e sujos mortos na mudança de pêlo.


Pente de metal: Serve para desembaraçar e encurtar a crina.

Desembaraçador: Desembaraça as crinas e a cauda.


Elásticos para entrançar: servem para entrançar as crinas e a rabada do cavalo.

A boxe do cavalo:
A boxe de um cavalo deve ser espaçosa, clara e arejada. Ter uma fila de boxes de um lado e do outro e um corredor central facilita as tarefas dos trabalhadores. É também muito importante que haja um constante abastecimento de água fresca e limpa.
A cama mantém o cavalo confortável e quente e evita grande parte das feridas quando este se mantém deitado. Podem ser utilizados vários tipos de cama desde as de palha às de borracha. Deve evitar que o cavalo viva num ambiente com muito pó e gases que provém da cama e até do próprio feno. Todas as camas têm vantagens e desvantagens: A palha de trigo é muito poeirenta e os cavalos comem-na; também a palha cortada e sem pó tem o inconveniente de ser comida pelos animais; as aparas de madeira só são aconselhadas se o pó tiver sido extraído; o cânhamo proporciona uma cama resistente e leve, mas têm também o problema do pó e de serem comidas; as tiras de papel não são poeirentas mas são difíceis de remover e voam facilmente; os tapetes de borracha devem ser utilizados apenas em cavalariças com boa drenagem, pois caso contrário pode formar-se uma possa de liquido de borracha, e sempre debaixo de uma fina camada de cama.

Fonte de Pesquisa

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Origami

Já toda a gente conhece o Origami e essa ideia de dobrar papel para fazer ''desenhos'' incríveis, veio do Japão, um país em que mais admiro.
Tentei arranjar uma ideia nova. Já fiz com nuvens e agora tive a ideia de postar Origami com formas de cavalos, tanto unicórnios como pégasus e ainda ''cavalos do mar''.
Espero que gostem.

 
Tentei arranjar um esquema para fazer origami e consegui, mas é um bocado difícil (acho, pelo que vi na imagem abaixo).


Mas se quiserem ver mais origamis e recriar, podem ir ao Youtube e escrever ''Origami cavalo''.
Boa Sorte.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Raças ( Appaloosa)

''Apalouse'' é a designação que os negociantes brancos davam ao cavalo malhado (altura: 142 a 165 cm) dos Índios Nez-Percé, quando chegaram, em 1870, à região do rio Palouse. Crê-se que, através da criação criteriosa e de um treino no exímio, os índios conseguiram obter um cavalo que se tornou famoso pela coragem, pela perseverança, pela lealdade, pela inteligência e pela rapidez. Em 1877, a rendição dos índios ao exército norte-americano quase que pôs fim à gloriosa história do Appaloosa. Felizmente, alguns rancheiros tinham por este animal tal admiração que continuaram a criá-lo, ainda que em condições difíceis.

Não existe outro cavalo tão versátil como o Appaloosa. Nos Estados Unidos, é o cavalo mais apreciado. Desde então que este animal, sereno e de passo leve e que, não obstante o seu temperamento, consegue manter a calma encontrou entre nós, inúmeros apreciadores. A perseverança e a resistência deste espécime determinam a sua aptidão para os passeios equestres e para as provas de resistência equestre, mas também obtém êxito nas corridas, nos concursos de saltos e na dressage. Por ser igualmente um cavalo amigável, é óptimo como montada para jovens.